Sites Grátis no Comunidades.net Wordpress, Prestashop, Joomla e Drupal Grátis

Centro Cultural e Templo dos Orisá Egbe Ifá Ire


Rating: 3.0/5 (591 votos)




ONLINE
1





Olá!

Comunidade da religião dos orixás ou não  a (ACAD) É UM NUCLEO REGIONAL é um local onde desenvolve a proteção básica, centro de referencia  social na oferta de serviço continuados  de proteção cultural, religiosa e porteção social básica. Onde esta localizada na,

RUA: DESEMBARGADOR GASTÃO MACEDO 118 PRAÇA SECA -RJ

TEL: (21) 24257432

Email: paulodesu@yahoo.com.br / pauloganga2014@gmail.com

Acad é uma organização não governamental, uma porta  de entrada dos usuários à rede de proteção cultural, religiosa e proteção social básica.

Total de visitas: 170010
Obá

OBÁ


 

 

Está ligada às águas e à guerra. Atribuem-se as enchentes e as cheias dos rios à este Orixá.

Pelo fato de conviver muito tempo com Xangô ela aprendeu a lidar com energias diferentes, tais como

a energia elétrica.

Obá também rege a desilusão amorosa, o sentimento de perda, a depressão e a raiva.

PERSONALIDADE: Guerreira, são frágeis nas relações amorosas, sinceras, depressivos, raivosos, boas,

habilidosas e rápidas.

PAÓ: Igual à Oyá.

COR: Amarelo, vermelho e branco.

SÍMBOLO: A luta.

METAL: Dourado e cobre.

ANIMAIS: Galinha, galinha d`angola e cabra.

Obá representa as águas revoltas dos rios. As pororocas, as águas fortes, o lugar das quedas sao

considerados domínios de Obá. Ela representa também o aspecto masculino das mulheres

(fisicamente) e a transformação dos alimentos de crus em cozidos.

Por sua envergadura física e força, tornou-se uma guerreira, a única mulher capaz de desafiar Ogum

para uma luta, e por ser Obá extremamente forte e destemida, Ogum se viu obrigado a usar de um

truque contra ela, espalhando quiabo amassado no chão, e atraindo Obá para aquele canto, onde a

guerreira escorregou e não apenas perdeu a luta como foi possuída à força por Ogum, que se tornou

seu inimigo.

Sendo uma cozinheira excelente foi escolhida para ser a terceira esposa de Xangô, o deus trovão.

Sempre se sentindo menos desejada por seu amado que Oxum e Iansã, Obá se esmerava em agradálo

com seus pratos cada vez mais aprimorados. Mas Oxum era sempre a preferida de Xangô.

Um dia Obá não se conteve e perguntou a Oxum qual o segredo de sua sedução. Oxum, que vivia com

a cabeça enrolada em turbantes maravilhosos, disse que havia cortado a própria orelha esquerda e

colocado no amalá (uma comida à base de quiabo) de Xangô que, ao comê-lo, por ela se perdera de

paixão para sempre.

Obá então cortou a própria orelha e a colocou no amalá.

Ao ver Obá com um ferimento no lugar da orelha Xangô quis saber o que houvera e Obá contou.

Neste momento Oxum tirou seu turbante e, mostrando as duas orelhas intactas a Obá, desatou a rir.

Xangô, zangado com a insensatez de Obá e enojado por ver sua orelha na comida, expulsou-a de seu

palácio e Obá tanto chorou e teve raiva que se transformou num rio revoltoso. Na África, no lugar onde

se encontram os rios Obá e Oxum o estouro das águas é extremamente violento.

Cor: vermelho com amarelo

Numero: 4

Símbolo: Obé

Comida: quiabo

Dia da semana: Quarta-feira

Saudação: Obá xirê!

OBÁ ("rainha")

Divindade guerreira, considerada até como uma Oia-Iansã velha, originária do rio de mesmo nome na

Nigéria. Ligada à água doce como Oxum, ao contrário desta está presente nas águas revoltas como:

enchentes, inundações e cheias dos rios e também no corisco, que lhe foi dado pelo marido Xangô. É o

orixá que domina a paixão. Obá rege a desilusão amorosa, a tristeza, o sentimento de perda, a

incapacidade do homem de ter o que ama e deseja. Obá é a raiva, a frustração, a solidão, a depressão,

o sentimento de abandono. Embora a lenda diga ser Obá uma guerreira vencedora, ela conseguiu seu

encantamento no oposto, ou seja, na derrota.

Obá era esposa de Xangô, juntamente com Oxum que muito esperta queria se livrar da rival. Certo dia,

para enganar Obá, Oxum apareceu com um pano cobrindo uma das orelhas. Obá quis saber o que era

aquilo, e ela então contou que tinha cortado a própria orelha e colocado na comida de Xangô, e este

teria gostado muito, daí ela ser a sua favorita. Obá por tanto amor que nutria pelo marido, não pensou

duas vezes, e fez o mesmo. Xangô repugnado expulsou-a de seu reino. E toda esta dor, desesperança,

abandono, ficou em Obá e tem sua regência. É a lógica dizendo que é a "última gota", que faz

transbordar nossos sentimentos. Se um rio enche e transborda, é porque não suporta mais o volume

de água, deixando escapar "aquilo que não cabe mais", isto é Obá, esta é sua regência, seu

encantamento e sua influência. Geralmente quando incorpora, lança-se contra as filhas de Oxum,

principalmente se estas estiverem próximas do orixá Xangô. A iniciação de uma filha de Obá necessita

de certas ervas difíceis de serem encontradas no Brasil. Daí o grande número de filhas de Oia-Iansã,

de características muito semelhantes a Obá, crescer a cada dia.

OBÁ

É a divindade do rio do mesmo nome, foi a terceira mulher de Xangõ. Como ás duas primeiras, Oyá e

Osún,ela foi também mulher de Ogun segundo uma lenda de Ifá.

Obá é um orixá feminino muito enérgico e fisicamente mais forte que muitos orixás masculinos. Ela

desafiara e vencerá na luta, sucessivamente, Oxalá, Xangô e Orumilá. Chegada à vez de Ogun,

aconselhado por um babalawo, ela preparou uma oferenda de espigas de milho e quiabo. Amassou

tudo num pilão, obtendo uma pasta escorregadia, que espalhou pelo chão, no lugar previsto, digo onde

aconteceria a luta. Chegado o momento, Obá que fora atraída até o lugar previsto, escorregou sobre a

mistura, aproveitando-se Ogun para derrubá-la e possuí-la no ato.

Mais tarde, quando Obá se tornou a terceira mulher de xangõ, uma grande rivalidade não demorou a

surgir entre ela e Osún.Esta era jovem e elegante e Obá era mais velha e usava roupa fora de moda,

fato que nem chegava ser dar conta, pois pretendia monopolizar o amor de Xangô. Com este objetivo,

sabendo quanto Xangô era guloso, procurava sempre surpreender os segredos da receitas de cozinha

utilizadas por Osún, a fim de preparar ás comidas de Xangõ.

Osún irritada, decidiu pregar-lhe uma peça e um belo dia, pediu-lhe que viesse assistir, um pouco mais

tarde, á preparação de um determinado prato que, segundo lhe disse Osún maliciosamente que

realizava maravilhas junto a Xangõ, o esposo comum. Obá apareceu na hora indicada. Osún, tendo a

cabeça atada por um pano que lhe escondia as orelhas, cozinhava uma sopa na qual boiava dois

cogumelos. Osún mostrou a sua rival, dizendo que havia cortado as próprias orelhas, colocando-as

para ferver na panela, a fim de preparar o prato predileto de Xangõ. Este chegando logo, tomou a sopa

com apetite e deleite e retirou-se, gentil e apressado, em companhia de Osún. Na semana seguinte,

era vez de Obá cuidar de Xangõ. Ela decidiu por em prática a receita maravilhosa: cortou uma de suas

orelhas e cozinhou-a numa sopa destinada a seu marido. Este não demonstrou nenhum prazer de vê-la

com a orelha decepada a achou repugnante o prato que ela lhe serviu. Osún apareceu, neste

momento, retirou o seu lenço e mostrou que suas orelhas jamais haviam sido cortadas nem devoradas

por Xangô. Começou, então a caçoar da pobre Obá, que, furiosa precipitou-se sobre sua rival. Seguiuse

uma luta corporal entre elas. Xangõ, irritado fez explodir o seu furor. Osún e Obá, apavoradas,

fugiram e transformaram-se nos rios que levam seu nomes. No local da confluência dos dois cursos de

água, as ondas se tornaram-se muito agitadas em conseqüência da disputa entre as duas divindades.

Conta-se ainda, sobre Obá, uma lenda por vezes atribuída a Osún,baseada num jogo de palavras: Orai

Owu, partindo em expedição guerreira,teve que atravessar o rio Obá com seu exército. O rio estava em

período de enchente e as águas tão tumultuadas que não podiam ser atravessadas. Oreifez, então,

uma promessa solene, embora mal formulada.

Ele declarou: Obá,deixe passar meu exército, eu lhe imploro, faça baixar o nível de suas águas e se

sair vitorioso da guerra,eu lhe oferecerei uma nkan rere(boa coisa).Ora,êle tinha por mulher uma filha

do rei Ibadan que levava o nome nkan. As águas baixaram, o rei atravessou o rio e venceu a guerra.

Regressou com um saque considerável.Chegando próximo ao rio Obá, ele encontrou novamente em

período de cheia. O rei ofereceu-lhe todas as nkan rere, tecidos, búzios, bois e comidas, mais o rio

rejeitou todos estes dotes. Era nkan a mulher do rei, que ele exigia. Como rei de Owu era obrigado a

passar, teve que lançar nkan as águas, mas ela estava grávida e pariu no fundo do rio. Este rejeitou o

recém nascido, declarando que somente nkan lhe havia sido prometida. As águas baixaram e o rei

voltou triste aos seus domínios, seguido pelo seu exercito. O rei de Ibadan tomou conhecimento do

ocorrido. Indignado, declarou que não tinha dado sua filha em casamento para ela servir de oferenda

para um rio. Fez a guerra a seu genro,venceu-o e expulsou de seu país.

OBÁ NO NOVO MUNDO

No Brasil, assim que Obá aparece num candomblé manifestada em uma de suas iniciadas, ata-se um

turbante em sua cabeça a fim de esconder uma de suas orelhas, como na recordação da lenda já

narrada. Se Osún manifesta-se no momento, a tradição exige que as duas divindades encarnadas

procurem lutar novamente e é preciso, então intervir energicamente para separá-las. A dança de Obá é

guerreira, ela brande o sabre com uma das mãos e na outra leva um escudo.

Suas oferendas consistem em, cabras,patos e galinha d'angola.

Sincretismo: Obá é sincretizada com Joana D'Arque, mais também é sincretizada como S'ta Catarina.

Qualidade: Obá não tem divisão,é uma santa guereira que traz espada, e reina nas fogueiras e

acampamemtos é a água viva do mar,muitos antigos dizem que Obá pode ser uma qualidade de Oyá.

Deusa do Rio Obá. Espôsa de Xângo. Guerreira, veste vermelho e branco, usa escudo e lança. Na

dança briga com Oxum que a induziu a cortar uma das orelhas para usá-la na comida de Xangô e com

isso manter seu amor. Os resultados revelaram-se desastrosos e Obá foi repudiada por Xangô. Obá

come conquén, cabra e pato. Dança tapando com a mão o lado do rosto de onde cortou a orelha.

Obá era uma mulher vigorosa e cheia de coragem. Faltava-lhe, talvez, um pouco de charme e

refinamento. Mas ela não temia ninguém no mundo. Seu maior prazer era lutar.

Seu vigor era tal que ela escolheu a luta e o pugilato como profissão. Obá saiu vencedora de todas as

disputas que foram organizadas entre ela e diversos orixás. Ela derrotou Obatalá, tirou Oxossi de

combate, deixou no chão Orunmilá. Oxumaré não resistiu à sua força.

Ela desafiou Obaluaê e botou Exú prá correr. Chegou a vez de Ogum!

Ogum teve o cuidado de consultar Ifá, antes da luta. Os adivinhos lhe disseram para fazer oferendas,

compostas de duzentas espigas de milho e muitos quiabos. Tudo pisado num pilão para se obter uma

massa viscosa e escorregadia. Esta substância deveria ser depositada num canto do terreno onde eles

lutariam.

Ogum seguiu, fielmente, estas instruções. Na hora da luta, Obá chegou dizendo: "O dia do encontro é

chegado".

Ogum confirmou: "Nós lutaremos, então, um contra o outro". A luta começou.

No início, Obá parecia dominar a situação. Ogum recuou em direção ao lugar onde ele derramara a

oferenda. Obá pisou na pasta viscosa e escorregou. Ogum aproveitou para derrubá-la. Rapidamente,

libertou-se do seu pano e a possuiu ali mesmo, tornou-se, dessa maneira, seu primeiro marido.

Mais tarde, Obá tornou-se a terceira mulher de Xangô, pois ela era forte e corajosa. A primeira mulher

de Xangô foi Oiá-Iansã que era bela e fascinante. A segunda foi Oxum, que era coquete e vaidosa.

Uma rivalidade logo se estabeleceu entre Obá e Oxum. Ambas disputavam a preferência do amor de

Xangô. Obá procurava, sempre, surpreender o segredo das receitas utilizadas por Oxum quando esta

preparava as refeições de Xangô.

Oxum, irritada, decidiu preparar-lhe uma armadilha. Convidou Obá a vir, um dia de manhã, assistir à

preparação de um prato que, segundo ela, agradava infinitamente a Xangô. Obá chegou na hora

combinada e encontrou Oxum com um lenço amarrado à cabeça, escondendo as orelhas.

Ela preparava uma sopa para Xangô onde dois cogumelos flutuavam na superfície do caldo. Oxum fez

crer a Obá que se tratava de suas orelhas, que ela cozinhava, assim, para preparar o prato favorito de

Xangô. Este logo chegou, vaidoso e altivo. Engoliu, ruidosamente e com deleite, a sopa de cogumelos

e, galante e apressado, retirou-se com Oxum para o quarto.

Na semana seguinte, era a vez de Obá cuidar de Xangô. Ela decidiu pôr em prática a receita

maravilhosa. Xangô não sentiu nenhum prazer ao ver que Obá se cortara uma das orelhas. Ele achou

repugnante o prato que ela lhe preparara. Neste momento, Oxum chegou e retirou o lenço, mostrando

à sua rival que suas orelhas não haviam sido cortadas, nem comidas.

Furiosa, Obá precipitou-se sobre Oxum com impetuosidade. Uma verdadeira luta se seguiu. Xangô,

encolerizado, trovejou sua fúria. Apavoradas, Oxum e Obá fugiram e se transformaram em rios.

Até hoje, as águas destes rios são tumultuadas e agitadas, no lugar de sua confluência, em lembrança

da briga que opôs Oxum e Obá pelo amor de Xangô.

ARQUÉTIPO

(Do livro "Orixás - Pierre Fatumbi Verger - Editora Corrupio")

O arquétipo de Obá é a das mulheres valorosas e incompreendidas. Suas tendências um pouco viris

fazem-nas frequentemente voltar-se para o feminismo ativo. As suas atitudes militantes e agressivas

são consequências de experiências infelizes ou amargas por elas vividas. Os seus insucessos devem-se,

frequentemente, a um ciúme um tanto mórbido. Entretanto, encontram geralmente compensação para

as frustrações sofridas em sucessos materiais, onde a sua avidez de ganho e o cuidado de nada perder

dos seus bens tornam-se garantias de sucesso.

ESSABAS:

Mesmas de Inhasã e Oxum.

Candeia

Negamina

Folha de amendoeira

OBA

ASSA-PEIXE; GOIABA; BETERRABA; GERÂNIO

QUALIDADES DE OBÁ:

1. Obá Gideo

2. Obá Rewá

LENDA DE OBÁ:

Seguindo pelo mundo revoltada, Obá dedicou-se a luta, sendo conhecida como a bela guerreira.

Todos comentavam sobre a imbatível Obá, chegando ao conhecimento de Ogum. Este se sentiu

ofendido, resolvendo procura-la e quando a encontrou encantou-se com a bela guerreira. Marcaram

uma luta na qual se Ogum ganhasse ela o amaria, caso contrário seria a mais hábil guerreira e Ogum

lhe entregaria a espada.

Ogum usando de esperteza, mandou que seus guardas esgalhassem baba de quiabo pelo chão.

Chegando o dia, Obá parte para cima de Ogum, sendo que mal consegue ficar em pé, pois o chão

estava escorregadio. Obá percebeu a malícia de Ogum e puxou-o, os dois lutaram durante horas mas

nenhum conseguiu vencer. Os dois se entenderam.

Ogum quis levar Obá, mas esta o recusou por ter seu coração com Xangô.

Criar um Site Grátis   |   Create a Free Website Denunciar  |  Publicidade  |  Sites Grátis no Comunidades.net